Spotify reduz perdas

A empresa de streaming de música deverá terminar o ano com vendas de cerca de quatro mil milhões de euros e resultados operacionais negativos de 300 milhões.

Fleed

auto auto

 

O Spotify, líder de streaming de música, deverá ter registado um volume de negócios de 1000 milhões de euros no seu terceiro trimestre fiscal, adianta o The Information.

As vendas anuais deverão atingir os quatro mil milhões e os resultados operacionais deverão permanecer negativos em torno dos 300 milhões de euros, dos quais entre 70 a 90 milhões de euros no terceiro trimestre, de acordo com as estimativas dos analistas.

O Spotify continua a assegurar a liderança mundial no fornecimento de música por streaming, tendo 140 milhões de utilizadores, dos quais 70 milhões são subscritores de serviços premium, ou seja, pagos, valor que representa um crescimento de 10 milhões em seis meses.

Os principais concorrentes da empresa sueca estão, todavia, a encurtar a distância. A Apple e a Amazon têm vindo a conquistar cada vez mais aderentes. A Apple terá, de acordo com o The Wall Street Journal, conquistado 6 milhões de subscritores deste serviço em apenas três meses, contando agora com 36 milhões de utilizadores que pagam.

Recorde-se que o Spotify já solicitou a sua entrada no mercado de capitais em Nova Iorque, numa operação que avalia a empresa em 20 mil milhões, tornando-a numa das tecnológicas mais valiosas. conteudos@fleed.pt

 

O Spotify, líder de streaming de música, deverá ter registado um volume de negócios de 1000 milhões de euros no seu terceiro trimestre fiscal, adianta o The Information.

As vendas anuais deverão atingir os quatro mil milhões e os resultados operacionais deverão permanecer negativos em torno dos 300 milhões de euros, dos quais entre 70 a 90 milhões de euros no terceiro trimestre, de acordo com as estimativas dos analistas.

O Spotify continua a assegurar a liderança mundial no fornecimento de música por streaming, tendo 140 milhões de utilizadores, dos quais 70 milhões são subscritores de serviços premium, ou seja, pagos, valor que representa um crescimento de 10 milhões em seis meses.

Os principais concorrentes da empresa sueca estão, todavia, a encurtar a distância. A Apple e a Amazon têm vindo a conquistar cada vez mais aderentes. A Apple terá, de acordo com o The Wall Street Journal, conquistado 6 milhões de subscritores deste serviço em apenas três meses, contando agora com 36 milhões de utilizadores que pagam.

Recorde-se que o Spotify já solicitou a sua entrada no mercado de capitais em Nova Iorque, numa operação que avalia a empresa em 20 mil milhões, tornando-a numa das tecnológicas mais valiosas. conteudos@fleed.pt

Mais sobre o tema