logo

Notícias

Desporto

Lifestyle

Cultura

Automóvel

Dinheiro

Batmobile na Comic Con 2017

fleed

 

O carro do Batman, conhecido como Batmobile, ganhou a sua reputação como predador nas ruas de Gotham City. Presente no filme “Liga da Justiça”, já em exibição nos cinemas nacionais, é alimentado por um incomparável protótipo de tecnologias de desempenho militar e civil, esta máquina foi estimada para alcançar velocidades de até 329 quilómetros por hora. As imponentes capacidades de defesa do Batmobile são combinadas entre a velocidade, os sistemas secretos de armamento militar, sigilo e proteção ativa.

Os segredos e as características do Batmobile poderão ser conhecidas ao vivo por todos os visitantes na Comic Con Portugal 2017, entre os atrativos do bólide está uma Twin.50 caliber, metralhadora retrátil no cimo do carro, um lançador de mísseis dianteiros, um canhão de Howitzer, lançadores de foguetes traseiros. Apresenta 6 metros de comprimento por 3 metros de largura e conta com um peso de 3.85 toneladas.

O novo Batmobile da ‘Liga da Justiça’, estará pela primeira vez em Portugal de 14 a 17 de dezembro, na Exponor, em Matosinhos, onde os visitantes no maior festival de cultura pop do país. poderão ter a experiência única de conhecer o adereço mais icónico de Batman no espaço da Warner Bros. Pictures. 

 

Mais novidades na Comic Con Portugal

Na 4ª edição da Comic Con Portugal os visitantes terão oportunidade de conhecer, também na área de Cinema & TV, Dominic Purcell, Edward James Olmos Katherine McNamara e Daniela Ruah. Na área de Banda Desenhada podemos contar com a presença de Brian Michael Bendis, Rafael Albuquerque, Hermann, Mahmud Asrar, Nuno Plati, Nuno Saraiva, Osvaldo Medina, Flipe Melo & Juan Cavia, Alberto Jimenez Albuquerque, David Lafuente, Pepe Larraz e Giogrio Cavazzano. Na literatura contaremos com a presença de Andrjez Sapkowski, Claire Northe Inês Botelho. A youtuber SEA3P0 é uma das convidadas para a área de New Media. 

KINPATSU é a cosplayer & crafter que marcará presença na área de Cosplay. Ganhou diversos concursos de cosplay, incluindo a RAge Expo, onde alcançou o 1º lugar em artesanato por três anos consecutivos. Ela faz parte de Júris em várias competições de cosplay em todo o mundo, incluindo: Turquia, Alemanha e Espanha.

Para além de convidados existirão também autógrafos, photobooth, painéis Q&A, ativações de marca de parceiros como FOX, AXN, AMC, SYFY, TVCine & Séries, Canal Hollywood, NOS Audiovisuais, Warner Bros. Pictures, Paramount, Sony, 20th Century Fox, Pris Audiovisuais, Cinemundo, LEGO e Disney. conteudos@fleed.pt

auto auto

Código Dávinte este ano dedicado às vítimas dos incêndios

fleed

 

Em vigor até 6 de janeiro de 2018, em todas as lojas Worten e também e na loja online, o projeto de responsabilidade social Código DáVinte irá apoiar, este ano, as vítimas dos incêndios que devastaram o país. Para contribuir, basta passar o código de barras solidário, que tem o valor mínimo de 0,20€. Quantos mais códigos passar, mais estará a contribuir para esta causa. No final da ação, a Worten acrescenta 20% ao valor angariado nas lojas, reforçando, assim, o montante total a doar.

Inês Drummond Borges, diretora de marketing da Worten, explica que “o muito que ainda precisa de ser feito para ajudar as populações afetadas pelos graves incêndios que assolaram o nosso país, fez com que esta causa fosse incontornável. O objetivo é ajudar a equipar as casas das muitas famílias que perderam parte dos seus bens ou praticamente tudo. Pelo seu papel de proximidade junto das populações e pela relevante experiência em identificar necessidades e atuar no terreno, a Cruz Vermelha foi a nossa escolha natural como parceira deste projeto”. 

De acordo com Francisco George, Presidente Nacional da Cruz Vermelha, “é nossa missão, através do programa ‘Mais Feliz’, prestar todo o apoio necessário para a reconstrução das vidas de centenas de famílias afetadas pelos fogos. O donativo que iremos conseguir, com a ajuda dos portugueses e da Worten, vai ajudar-nos a prosseguir, no terreno, com esta nossa atividade humanitária com maior celeridade e eficiência”.

À semelhança dos anos anteriores, a SIC é o parceiro para a divulgação do Código DáVinte em TV. O projeto conta ainda com divulgação em loja, em na loja online nas redes sociais, imprensa e rádio.

Esta é a 5.ª edição do Código DáVinte, o projeto de responsabilidade social de Natal da Worten, que tem, a partir deste ano, a chancela do programa ‘Worten Comunidade’; um programa que visa reunir e consolidar as iniciativas de teor solidário da marca. Em acumulado, e até à data, o Código DáVinte permitiu à Worten doar, com a ajuda dos seus clientes, mais de meio milhão de euros, em prol das missões específicas de quatro instituições portuguesas: Terra dos Sonhos, Acreditar, Aldeias SOS e Fundação do Gil. conteudos@fleed.pt

auto auto

Jovens YouTubers nacionais criam t-shirts exclusivas para a Sport Zone

fleed

 

​D4rkFrame e Wuant, dois dos mais famosos jovens YouTubers nacionais da atualidade, com uma edição limitada de t-shirts em exclusivo para a Sport Zone.

As duas t-shirts já se encontram-se disponíveis no site da marca, estando limitadas a 100 exemplares de cada modelo.

Atenta às novas tendências do mercado e de forma a impactar um target mais jovem, a Sport Zone lançou um novo desafio aos dois YouTubers que já haviam colaborado com a marca na sua campanha Regresso Aulas: serem eles próprios os criadores de 2 t-shirts.

O resultado foi uma divertida t-shirt branca com estampado colorido com a figura de D4rkFrame, e uma mais discreta e elegante t-shirt preta com a assinatura de Wuant, ambas já disponíveis no site Sport Zone, por um preço de 24,99€ cada. conteudos@fleed.pt

auto auto

Tiago Bonito conquista a sua primeira Estrela Michelin no Largo do Paço

fleed

 

Sob o comando do Chefe Executivo Tiago Bonito, o restaurante Largo do Paço conquistou na edição de 2018 a sua Estrela, atribuída pelo conceituado Guia Michelin Espanha & Portugal. 

Para o Chef Tiago Bonito, “a revalidação da estrela Michelin é um premiar de todo o trabalho desenvolvido pela equipa da Casa da Calçada, em particular do Restaurante Largo do Paço. É um orgulho este reconhecimento que reflete toda a nossa autenticidade, paixão e dedicação, e a vontade que temos de todos os dias fazer mais e melhor, oferecendo a quem nos visita a garantia de uma experiência inesquecível e gastronomicamente enriquecedora”.

Aos menus “Identidade” e “Caminhos”, recentemente apresentados com a introdução da carta outono/inverno, e um ambiente requintado, mas acolhedor, junta-se uma das melhores cartas de vinho da região e um serviço personalizado, orientado pelo F&B Manager Adácio Ribeiro, que se encontra disponível para receber os clientes todos os dias, das 12h30 às 15h00 e das 19h30 às 22h30.

2004 foi o primeiro ano em que o Largo do Paço conquistou a tão prestigiada estrela atribuída pelo afamado guia francês de alta gastronomia. 

O anúncio das estrelas atribuídas em Portugal e Espanha foi feito ontem pelo Guia Michelin, durante uma cerimónia que decorreu em Tenerife, Espanha. A par do Largo do Paço foram distinguidos com Estrelas Michelin entre os 18 restaurantes portugueses, num ano memorável para a alta gastronomia portuguesa. conteudos@fleed.pt 

auto auto

Prémio Sonae Media Art com exposição interactiva

fleed

 

A exposição das obras dos cinco artistas finalistas do Prémio Sonae Media Art 2017 abriu hoje ao público e vai estar patente até 1 de abril no MNAC – Museu do Chiado. André Martins, André Sier, Nuno Lacerda, Rodrigo Gomes e Sofia Caetano apresentam obras inéditas desenvolvidas especificamente para esta exposição, paras as quais beneficiaram de um apoio de 5 mil euros de incentivo à criação. O Vencedor receberá o grande prémio de 40 mil euros.

O Prémio Sonae Media Art é o maior projeto português de incentivo à produção de arte na área dos novos media, privilegiando o trabalho artístico construído a partir da interseção disciplinar.

A escolha dos cinco artistas, André Martins, André Sier, Nuno Lacerda, Rodrigo Gomes e Sofia Caetano, foi feita por um júri de seleção, integrado por Teresa Cruz (investigadora, especialista em Teoria dos Media e das Artes Contemporâneas e docente universitária), António Sousa Dias (compositor, investigador nos domínios do multimédia e da instalação e docente universitário) e Adelaide Ginga (curadora e historiadora da arte), que avaliou 147 candidaturas com base na análise de trabalhos anteriores já feitos pelos concorrentes, privilegiando não só as dinâmicas interdisciplinares demonstradas nos percursos artísticos, como a qualidade concetual, inovação de projeto e entendimento do conceito media art.

A exposição conjunta dos artistas finalistas é uma etapa muito relevante do projeto, já que o vencedor será escolhido como resultado do trabalho desenvolvido e da obra em exposição. A escolha do artista vencedor do Prémio Sonae Media Art será realizada poro júri de premiação constituído por Filipa Oliveira (curadora e atual diretora artística do Fórum Eugénio de Almeida em Évora), Nuno Crespo (docente universitário e investigador nas áreas da estética, teoria e crítica da arte, arquitetura e filosofia) e Ramus Vestergaard (diretor e curador-chefe do DIAS – Digital Interactive Art Space, o primeiro kunsthalle dinamarquês com um foco específico em media art e arte digital).

A decisão sobre o vencedor será anunciada no dia 6 de dezembro de 2017.

Na primeira edição do prémio bienal promovido pela Sonae em parceria com o MNAC – Museu do Chiado, a artista portuguesa Tatiana Macedo foi a grande vencedora, com a obra “1989“, que explorava o meio videográfico e fílmico, através de uma tripla projeção com som espacializado, duma forma pessoal e sensível, relacionando o individual com o político.

 

Interactividade em alta

A exposição dos finalistas da segunda edição do Prémio Sonae Media Art integra cinco obras inéditas. A interactividade é uma característica comum à maioria, demonstrando que o media art está a abrir novos caminhos. Os museus deixaram de ser pontos de observação mas antes de interação e de experiências.

Conheça as obras dos autores, pela ordem que as irá encontrar no Museu do Chiado:

 

NUNO LACERDA – SAMARRA, 2017

Instalação interativa com rato óptico e projeção de vídeo HD, som estéreo.

Samarra é o nome de uma pequena praia, de difícil acesso e, por essa razão, conservada num estado ainda meio selvagem, localizada no planalto saloio de S. João das Lampas, na costa noroeste do concelho de Sintra.

Este cenário, inicialmente estranho ao artista, portanto neutro desse ponto de vista, foi sendo objeto de reconhecimento minucioso, de inscrição de vivências e de memórias, e é sobre esta familiaridade construída ao longo do tempo que são registadas múltiplas narrativas em vídeo, onde uma figura humana, o próprio autor, se filma a si próprio em vários locais diferentes.

Os diferentes registos captados ao longo do tempo, são montados e colados em sobreposição, construindo um puzzle que permite diferentes leituras. Através de um dispositivo apontador (rato) o observador/visitante pode interagir com a projeção, estabelecendo um percurso através dos diferentes vídeos e assumindo um controlo hipotético sobre as ações que se desencadeiam.

 

RODRIGO GOMES – ESTIVADOR DE IMAGENS, 2017

Escultura audiovisual, composta por 4 espelhos, 4 tubos de acrílico, placa de acrílico, 4 altifalantes.

Projeção vídeo (HD), cor, som espacializado, 11’59’.

Estivador de Imagens é um simulador de bombardeamentos. A peça divide-se em três superfícies: um espelho de grandes dimensões serve de base para quatro tubos cromados que sustentam outras duas superfícies. Uma construída em madeira, fazendo uma grelha irregular, e uma terceira feita em acrílico ondulado que assenta na anterior. No interior de cada tubo, quatro altifalantes produzem sons que se propagam e criam vibrações em toda a peça.

Sobre as superfícies da escultura são projetadas imagens, criando um jogo de propagação, reflexão e refração.

O conteúdo das imagens projetadas tem como base filmagens de drones de guerra, simulando um cenário de batalha. Os intervalos que caracterizam a grelha da superfície em madeira, são como alvos. A projeção emite ‘disparos’ com precisão nos intervalos, acompanhados pelo som que emana dos tubos após cada disparo.

Em War at a Distance (2003) de Harun Farocki ‘A imagem não é mais usada só como testemunho, mas também como uma ligação indispensável num processo de produção e destruição’. (Farocki, 2003)

 

ANDRÉ SIER – WOLFANDDOTCOM, 2017

Videojogo ambiente em rede local com esculturas eletrónicas interativas 2 projeções vídeo mono-canal, 2 instalações áudio estéreo, 3 esculturas de ferro com eletrónica, 3 computadores.

Wolfanddotcom é um inédito ambiente audiovisual interativo e em rede que sincroniza dois jogadores num mesmo espaço virtual gerado e partilhado nos computadores. O espaço jogo virtual da obra combina o imaginário de experiências de vivências virtuais com lobos num futuro distópico próximo, depois de um eventual desaparecimento da humanidade. Os lobos nesta obra procuram reconstruir uma rede virtual cibernética entre eles no espaço do jogo que poderá dar continuidade à vida no planeta. A recriação de uma internet por parte destes animais num futuro pós-apocalíptico é o tema central da peça. A obra funciona como uma pintura dinâmica e interativa de uma rede que abalou o espaço e alterou a forma como se vive no planeta. Os lobos, animais sociais, que caçam em matilhas, ou que se aventuram por terrenos inóspitos solitários, estão entre os predadores animais que sobrevivem a este apocalipse virtual povoado de ruínas, e têm de reconstruir uma rede entre eles para poderem manter a esperança de vida na terra.

 

ANDRÉ MARTINS – MEMORIAL FEED, 2017

Projeção vídeo de projeto online.

Memorial Feed é um feed online, em constante atualização, das contas memorializadas existentes no Facebook.

Contas memorializadas são uma forma das pessoas no Facebook poderem lembrar e celebrar aqueles que morreram.

Uma conta só pode ser transformada em Memorial através de um pedido ao Facebook por parte de familiares ou amigos próximos e mediante um comprovativo de óbito, solicitando a continuidade da conta da pessoa que morreu.

As contas memorializadas são uma recriação da celebração da morte consubstanciada virtualmente através da continuidade de uma existência online para além da morte, num suporte digital onde permanecem todas as fotografias de perfil da pessoa que morreu e a possibilidade de hiper­ligação para as respetivas páginas com toda a informação aí existente, garantido assim a eternização da sua presença virtual, num cemitério digital global, sem hierarquias, desmaterializado, presentificado, e onde a responsabilidade de captação dos perfis é delegada num web crawler de forma aleatória.

 

SOFIA CAETANO – GOD, 2017

Instalação multimédia interativa, composta por 7 fotografias a cores, estrutura de acrílico em impressão 3D, torre e botão, e 3 retroprojeções vídeo (HD), a partir de digitalização de filme em 16mm, cor, som (estéreo), 4’.

GOD é uma instalação multimédia, cujo cenário recria o ambiente de uma nave espacial, delimitado por uma parede ao fundo que se assemelha a um altar e por um conjunto de sete impressões fotográficas relativas ao conteúdo do vídeo. As impressões encerram visualmente uma faixa que une o teto, o chão, e as duas paredes laterais, em leitura contínua.

Ao meio um corredor ladeado de luzes controladas por sensores de movimento faz projetar as sombras dos visitantes nas paredes enquanto caminham em direção ao “altar” onde se encontra uma torre/botão com a palavra “GOD” inscrita.

A instalação permite que os participantes exerçam um papel ativo quando primem o botão que ativa a projeção de um filme projetado sobre três ecrãs concebidos de forma a envolverem a visão periférica do observador, acentuado a imersividade do espaço.

Os conteúdos partem do Génesis, que aqui é recriado num ambiente de antecipação científica através de filmes de 16mm remisturados e convertidos para digital e que reportam ao imaginário fílmico dos cineastas experimentais das décadas de 1960 e 70.

 

redacao@fleed.pt

 

auto auto

Alemanha proíbe smartwatches para crianças

fleed

 

O regulador alemão de telecomunicações proibiu a compra e posse de smartwatches para crianças. Isto porque, segundo este regulador, estes aparelhos estavam a ser usados para espiar as crianças e inclusivamente ouvir o que se passava dentro das salas de aula.

“Através de uma app, os pais podem usar estes relógios para, secretamente, ouvirem tudo o que se passa à volta dos seus filhos e por isso tê de ser vistos como um sistema não autorizado de transmissão”, afirmou Jochen Homann, presidente daquela instituição.

Esta não é a primeira vez que o regulador germânico atua a este nível. No passado recente proibiu a comercialização de uma boneca que se ligava à internet. A aplicação da Internet das Coisas (IoT) tem vindo a levantar diversos tipos de preocupações aos reguladores e associações de consumidores pelo facto de colocarem em risco a privacidade dos utilizadores.

O regulador alemão pediu às escolas que esteja atentas aos relógios inteligentes que possuem capacidade de transmissão, pedindo-lhes que os retenham e destruam. conteudos@fleed.pt

auto auto

Musculação para iniciantes

fleed

 

Muitos de nós já pensamos em fazer exercício e abandonar o estilo de vida sedentário. Não raras vezes, é dificil saber por onde começar. Em primeiro lugar deverá ganhar rotinas saudáveis entre elas a prática de exercício pelo menos alguns dias na semana.

Se ir ao ginásio é já em si um desafio, iniciar-se na musculação pode parecer assustador. Pois bem, para ajudar neste desafio aqui vão algumas dicas sobre este tema, para iniciantes.

Antes de mais é importante compreender o significado do termo  “musculação”. A musculação diz respeito à realização de um movimento com resistência, sabendo que a maioria destes exercícios aplicados no treino são movimentos que fazemos no nosso quotidiano.

Para começarmos a treinar precisamos de saber algumas palavras-chave que nos vão fazer entender todo o nosso plano de treino:

  1. Repetições - nº de vezes que completamos o exercício planificado;
  2. Séries- uma série representa o conjunto de repetições que realizamos o exercício sem interrupções ;
  3. Parte concêntrica (positiva): Fase do exercício que se eleva o peso;
  4. Parte excêntrica (negativa): Fase do exercício em que “segura” e desce o peso;
  5. Exercícios Mono-articulares (isolados) – O movimento do exercicio implica apenas uma articulação;
  6. Exercícios Poli-articulares (compostos) – O movimento do exercício implica várias articulações;

 

PROGRESSÃO NO GINÁSIO:

O principal objetivo da progressão é realizar uma boa amplitude (com uma técnica correta) e progressivamente ir aumentando o peso , quando conseguir realizar as repetições pedidas sem grande esforço.

 

PRIORIZAÇÃO E ORDEM DOS EXERCÍCIOS:

Inicialmente deve treinar eficazmente um grupo muscular antes de partir para outro, começando sempre por exercícios compostos e só mais tarde partindo para exercícios mais isolados, uma vez que envolvem várias articulações e implicam cargas maiores. Caso contrário, optando por começar com exercícios isolados irá muito provavelmente ter resultados inferiores no seu treino.

 

Exemplo de treino para principiantes: 

 

Foto: nainternet.biz

 

Patrick Vicente, Personal Trainer Holmes Place

auto auto

Musical Panda e os Caricas em digressão

fleed

 

“Panda e os Caricas no Cinema” é o novo musical de um dos maiores fenómenos infantojuvenis da atualidade que está de regresso aos palcos nacionais para oito dias de espetáculos de norte a sul de Portugal, com arranque agendado para dia 2 de dezembro no Pavilhão Desportivo Municipal de Loulé.

O espetáculo baseia-se no mais recente CD/DVD “Panda e os Caricas 4”, com a interpretação garantida de temas como “Sexta-Feira (Estudei A Semana Inteira)”, “O Autocarro do Panda” ou “Eu Gosto de Dançar”, cujos vídeos já ultrapassaram milhões de visualizações.

Depois de receber mais de 50 mil pessoas no ano passado, o Panda regressa, pelo sexto ano consecutivo, com a digressão nacional do musical “Panda e os Caricas”, embarcando numa aventura pela história de Hollywood, onde terão oportunidade de viajar pelo mundo do cinema mudo, a preto e branco, mas sempre com muita cor e animação.

Loulé, Évora, Coimbra, Lamego, Gondomar, Lisboa e Guimarães são as cidades que irão receber este espetáculo original, cuja produção está a cargo da Universal Music e que conta com a presença do Panda e da sua turma, constituída por um elenco de jovens atores, bailarinos e cantores, e inclui cenários multicoloridos, figurinos a rigor, efeitos de luz, som e vídeo. 

Ao longo de cerca de 1h15”, com intervalo, os bilhetes para o musical já se encontram à venda na Fnac, Worten, ticketline, bilheteira online e pontos de venda habituais com preços que variam entre os 15€ e os 35€ (bilhete individual).

 

Digressão nacional

Devido à intensa procura de bilhetes para o espetáculo mais aguardado do ano, a organização confirma que a sessão do dia 17 de dezembro às 11h00, em Lisboa, está esgotada.

 

Loulé               2 dez   Pavilhão Desportivo Municipal de Loulé 

Évora              3 dez   Arena de Évora

Coimbra          8 dez   Pavilhão Multidesportos Dr. Mário Mexia 

Lamego          9 dez   Pavilhão Multiusos de Lamego 

Gondomar     10 dez Pavilhão Multiusos de Gondomar

Lisboa            16 e 17 dez     Campo Pequeno 

Guimarães     23 dez Pavilhão Multiusos de Guimarães

​conteudos@fleed.pt

auto auto

Hype Market despede-se do outono

fleed

 

Está quase à porta mais uma edição do Hype Market, que se realiza na Avenida da Igreja, em Lisboa. É já no próximo sábado, dia 25 de novembro.

O espaço há muito que esgotou para as marcas que querem marcar presença neste mercado que já se tornou um clássico, mas não para o número cada vez maior de pessoas que procuram propostas novas, diferenciadas e criadas por empreendedores e designers nacionais.

No Hype Market que assinala a despedida do outono, estarão presentes 50 stands com propostas de vestuário e acessórios para mulher, homem e criança, mas também de produtos regionais e gourmets.

Marque na sua agenda, e apareça entre as 11h e as 19h00. Confira algumas das marcas presentes nesta edição:

Noya, Welove, Alfamarama, Feliz é quem diz, 4Her, Closer, Socca Roma, Formas d’Arte Collection, Hippie Chic Shop, Mariana Vasconcelos Joalharia, Warrior, Nabia Olive Oil Cosmetics, Pipe, Sol e Sal Pulseirismo, Meggie, Indie Clothes, Nomad Bohemian, Juva Underwear, Stitch Handmade Designs, Oficinarte Store, Patupaia, Patríca Valadares Tavares, ICS Solutions, Gabitejo, Mom is love, Vericious, São Pérolas, BBdream, Molhos & Sabores, Bagattelas, Sisters by heart, Poucopano, A Tita Catita, MATTI by Ella, entre outras.

conteudos@fleed.pt

auto auto

Meliá Ria Hotel com programa especial de Natal

fleed

 

Para este Natal em Aveiro, o Meliá Ria Hotel & Spa sugere um programa de com propostas de alojamento que incluem uma noite de alojamento com pequeno-almoço (entre 24 e 25 de dezembro), roupão e chinelos no quarto, acesso ao wellness center El Spa, jantar buffet de consoada, ceia de doces de Natal no Bar do Lago e almoço buffet de Natal, no dia 25 de dezembro, a partir de 89,50 euros por pessoa.

Para o fim de ano, o hotel propõe deixar a azáfama dos preparativos de lado e concentrar-se apenas no convívio e diversão próprios desta quadra. O programa proposto inclui três noites de alojamento em quarto standard com pequeno-almoço, roupão e chinelos no quarto, acesso ao wellness center El Spa, onde poderá usufruir de uma massagem de 30 minutos, jantar sugestão do Chef com bebidas da casa durante toda a estadia, Grande Gala de Réveillon com animação pela noite dentro e, no dia seguinte, almoço buffet de Ano Novo. Preços desde 459 euros por pessoa. conteudos@fleed.pt

auto auto

EMEA viu nascer mais 11 milhões de metros quadrados de centros comerciais

fleed

No primeiro semestre de 2017, foram inaugurados um milhão de metros quadrados em novos centros comerciais, na região Europa, Médio Oriente e África (EMEA), estando ainda em desenvolvimento mais de 11,1 milhões de m2 de novos espaços. Esta é uma das conclusões do mais recente relatório da CBRE “EMEA Shopping Centre Development”, subordinado à expansão dos projetos de retalho da região em análise.

Cristina Arouca, Diretora de Research da CBRE Portugal refere que, “Em Portugal, o ano de 2017 regista apenas duas inaugurações – do Mar Shopping Algarve e do Évora Fórum, com um total de 81.100 m2 - e não existe mais nenhum projeto em construção, existem alguns projetos de expansão em curso ou em fase de estudo. As obras de ampliação do Oeiras Parque e do NorteShopping arrancaram recentemente e em 2018 está também previsto o inicio das obras no Colombo, em Lisboa, e no Glicínias Plaza, em Aveiro.”

De acordo com o relatório, a Turquia, os Emirados Árabes Unidos (EAU) e a Rússia são os países mais ativos em termos de desenvolvimento de centros comerciais e representam mais de 50% dos projetos em construção. Na primeira metade do ano, a Turquia atingiu 300 mil m2 de novos espaços concluídos e continua a ter o maior pipeline de desenvolvimento de shoppings no período em análise, com 2.2 milhões de m2 de espaço em construção.

A seguir à Turquia, surgem os EAU com 2 milhões de m2 de espaço atualmente em construção. Neste país, o Dubai representa mais de três quartos do desenvolvimento. Os novos projetos procuram diferenciar-se com a oferta de atrações e experiências que são difíceis de replicar online. É de assinalar a proposta diferenciadora do centro comercial Meydan One Mall, que inclui mais de 100 lojas de restauração, a maior pista de ski interior e uma área dedicada às marcas de luxo.

Na Europa, os países de Leste são os mais ativos no desenvolvimento de centros comerciais, com a Rússia, a Polónia e a Ucrânia a apresentarem um elevado número de projetos em construção. Atualmente os projetos em construção na Rússia ascendem a 1,9 milhões m2, em resultado da melhoria dos principais indicadores macroeconómicos, conjugados com uma previsão de elevado volume de vendas no retalho, que está a aumentar a confiança dos promotores e construtores.

O Reino Unido tem a decorrer o maior volume de centros comerciais em desenvolvimento na Europa Ocidental, com um total de 460 mil m2 de novos espaços em construção, com previsão de inauguração nos próximos cinco anos.

O segundo maior plano de desenvolvimento de centros comerciais, pertence à França, com 409 mil m2, seguida pela Espanha com 345 mil m2 de novos espaços. De acordo com o estudo da CBRE a recuperação da economia espanhola tem ajudado a melhorar a performance dos ativos bem como a confiança dos promotores e construtores.

A expansão de centros comerciais continua a ser uma opção bastante popular para conseguir mais espaço comercial, especialmente, nos mercados da Europa Ocidental. As ampliações representaram 20% do stock de centros comerciais na região EMEA, com o Reino Unido, a Irlanda e a Áustria a liderar os projetos de ampliação em curso. Aliás, o Reino Unido detém um dos maiores projetos de expansão de centros comercias na Europa, com 69 mil m2 no Westefield London.

Andrew Phipps, Diretor de Research de Retail no Reino Unido & EMEA da CBRE, explica que “o nível de centros comerciais em construção mantém-se estritamente correlacionado com as previsões de vendas de retalho. Sem surpresa, os mercados para os quais está previsto um elevado volume de vendas são, particularmente, atrativos para os construtores uma vez que quer os retalhistas como a ocupação dependem do crescimento continuo dos mercados.” conteudos@fleed.pt

 

auto auto

Empresas exportadoras precisam de se proteger face aos crescentes riscos

fleed

 

As empresas portuguesas enfrentam riscos crescentes nos seus processos de exportação e internacionalização, que podem colocar em causa a sua sustentabilidade caso não sejam devidamente mitigados e transferidos para um segurador. Esta é uma das conclusões apresentadas pela MDS, multinacional de origem portuguesa líder na corretagem de seguros e consultoria de riscos, no evento Portugal Exportador, que se realizou hoje em Lisboa.

Mário Vinhas, Deputy Executive Director da MDS Portugal, afirma: “Os mercados externos apresentam um forte potencial de crescimento para as empresas portuguesas, mas também trazem ameaças que devem ser acauteladas. As empresas exportadoras e internacionalizadas necessitam de proteger os seus ativos pessoais e patrimoniais contra os riscos a que estão expostas sob pena de verem a sua atividade afetada em caso de sinistros. Para tal, devem recorrer à consultoria de riscos e à contratação de seguros adequados, assegurando o desenvolvimento sustentável do negócio e garantindo que a solidez e perenidade das empresas não é posta em causa por uma aposta no crescimento internacional”.

Portugal tem mais de 46 mil empresas exportadoras, sendo a maioria empresas de pequena e média dimensão. O volume anual de exportações supera os 50 mil milhões, apresentando uma tendência de evolução positiva. Desde o início do ano, e até final de setembro, as exportações nacionais cresceram 10,7%, com comparações homólogas mensais sempre positivas.

Espanha é o principal mercado de exportação português, seguido pela Alemanha e pela França. Fora da União Europeia, os Estados Unidos assumiram-se como principal mercado no terceiro trimestre de 2017.

 

Seguros fundamentais para quem quer exportar

A internacionalização e a exportação são excelentes oportunidades de crescimento para as empresas portuguesas, mas são comuns os problemas ao nível do recebimento dos valores das encomendas, da cadeia de transportes e logística ou de episódios envolvendo colaboradores deslocados.

Entre os principais riscos associados à exportação e à internacionalização que as empresas têm de ter em atenção e proteger estão: Legais e Regulatórios; Políticos; Continuidade do Negócio; Colaboradores; Crédito; Responsabilidades diversas; Entrega dos produtos; Cyber Risk; Perdas cambiais; Transferência de divisas; Políticas Aduaneiras ou Defesa da Marca e da Propriedade Intelectual.

Se os programas de seguro construídos para o efeito não forem corretamente pensados e projetados, a empresa pode incorrer em prejuízos, multas e processos judiciais contra a organização, e consequentemente, contra a sua própria gestão, podendo inclusive por em causa a continuidade do negócio e da empresa.

Para ajudar as empresas no desenvolvimento de negócio em todo o mundo, a MDS disponibiliza a sua experiência, know-how e recursos, realizando uma avaliação dos seus riscos e das suas exposições à escala global, para assegurar que a empresa está adequadamente protegida, cumpre as leis e regulamentos locais e tem os seus ativos devidamente seguros. Assim, contribui de forma decisiva para “tornar os negócios das empresas portuguesas mais fáceis em todo o mundo”.

A MDS é um grupo multinacional que atua na área da corretagem de seguro e resseguro e consultoria de risco. É líder de mercado em Portugal, top 3 no Brasil e está presente também em Angola e Espanha. Através da Brokerslink, uma das maiores organizações globais de corretores e serviços de consultoria de risco fundada pela MDS em 2004 e sedeada em Zurique, está presente em mais de 100 países, com cerca de 400 escritórios e totalizando cerca de 10.000 profissionais da área dos seguros. É também acionista e parceiro de referência da ED (ex-Cooper Gay Swett & Crawford), o maior corretor independente mundial de seguro e resseguro.

redacao@fleed.pt

 

auto auto

NOS com Black Friday em smartphones, videoclube e compras na TV

fleed

 

O black friday está a chegar e há algumas marcas que estão a antecipar as promoções. É o caso da NOS que inclui, para além das reduções até €190 em smartphones e 50% de desconto em todos os acessórios, ofertas especiais de dados, oferta de menu pipocas na app TV Cinemas NOS, descontos de 30% nas apps de Compras na TV e ainda reduções até 60% numa seleção de 100 títulos do Videoclube.

Para quem pensa em adquirir um smartphone para si ou para oferecer neste Natal há boas oportunidades nas lojas fisicas e online, mas também na app TV Loja NOS para compras na TV.

Os descontos numa seleção de terminais, na qual se incluem equipamentos Samsung e Huawei desbloqueados – como é o caso dos Galaxy S8 e o P10 e P10 Lite - chegam aos €190. Se comprados online os clientes contam com mais 10€ de desconto. Por outro lado se o cliente tiver pontos para descontar a redução nos smartphones pode ser ainda mais apelativa chegando aos €245. A esta oferta acresce ainda 50% de desconto em todos os acessórios.

Também na adesão a um pacote 4 ou 5 da NOS a empresa oferece até 4 vezes mais dados do que cada pacote integra habitualmente.

Entre filmes de ação, romance e infantis, há cerca de 100 filmes no Videoclube da NOS para alugar ou comprar com descontos até 60%. Velocidade Furiosa, A Culpa é da Estrelas, Vedações,Angry Birds: o Filme, Lilo&Stich e Gru o Maldisposto são alguns dos títulos incluídos nesta seleção da campanha Black Friday.

Numa seleção de apps de Compras na TV da Yubuy, os clientes vão ter acesso a 30% desconto em todo o catálogo disponível. Prozis, Garrafeira Nacional, Benfica, Sporting, Arcádia, são algumas das lojas abrangidas nesta campanha.

Por outro lado, na compra de bilhetes de cinema feita através da app TV Cinemas NOS com o Cartão NOS, os clientes recebem um menu de pipocas normal para tornar a sessão de cinema ainda mais especial.

A campanha Black Friday é válida a partir desta quarta feira e até dia 28 de novembro.

conteudos@fleed.pt

auto auto

Freeport Lisboa Fashion Outlet surge remodelado para crescer 20%

fleed

 

​O Freeport Lisboa Fashion Outlet apresenta-se, nesta terça feira, integralmente reformulado, com uma mais vasta oferta de moda e uma nova praça dedicada à gastronomia.

O investimento de 20 milhões de euros criou mais de 35 lojas aumentando o número total para 130 e registou a chegada de marcas como a Furla, Elisabetta Franchi, Tous, Timberland, Calvin Klein Jeans e Underwear ou Tumi, tendo por objetivo potenciar o crescimento do volume de negócios do centro em mais de 20%, no próximo ano.

Este investimento permitirá a criação de mais de 170 novos postos de trabalho, confirmando o centro como um dos maiores polos de emprego da região.

Os novos 35 espaços comerciais obtidos com a reformulação do espaço permitiram ao Freeport totalizar 130 lojas, das quais 10 são espaços de restauração. Atualmente mais de 80% das novas unidades estão já ocupadas.

O reforço de oferta responde assim às solicitações comerciais existentes e que não eram possíveis de satisfazer por falta de capacidade de área comercializável, agora ajustada para 31.385 m2.

Para além da colocação das novas marcas de moda internacionais referidas, também foi reforçadoa a oferta do segmento infantil com marcas como a Knot, Chicco, Pili Carrera, assim como o do segmento casa com a Textura e a Le Creuset a juntarem-se à Zwiling.

Já a Samsonite reforçou a presença no centro com a abertura de um segundo espaço comercial, com uma nova loja especializada no segmento “rolling luggage”.

Refira-se que algumas das novas marcas escolheram o Freeport Lisboa Fashion Outlet para a abertura da sua primeira loja outlet em Portugal, juntando-se assim ao exemplo da Coach, Hackett, Swarovski e Vans, que também optaram pelo centro para a sua estreia no mercado nacional em outlet. 

O perfil das novas marcas internacionais recrutadas, com loja já aberta e as que chegarão ao centro em 2018 insere-se no segmento fashion, o qual continua a ser extremamente valorizado pelos visitantes nacionais e estrangeiro e contribui para o crescimento projetado.

À reformulação e qualificação da oferta comercial correspondeu, simultaneamente, um reforço na sofisticação do serviço disponibilizado pelo outlet e a profunda intervenção no espaço público que envolveu todo o centro.

De acordo com Nuno Oliveira, diretor geral do Freeport Lisboa Fashion Outlet “a reformulação do centro teve por objetivo torná-lo no melhor destino de compras de moda em Lisboa. O centro está mais do que nunca acolhedor e agradável, sendo a reformulação arquitetónica e a profunda intervenção dos espaços comuns o mais evidente, mas às quais se junta um investimento muito expressivo na sofisticação do serviço prestado aos nossos visitantes, permitindo a melhor experiencia de compra. A estratégia de reforço comercial resultou num mix de marcas incomparável e que posiciona o centro como uma das mais importantes referências de shopping de moda em Portugal”.

 

Um centro novo e muito para descobrir

Paralelamente à reformulação e criação de novos espaços, presidiu à renovação do Freeport Lisboa Fashion Outlet uma harmonização estética.

A equipa responsável pelo projeto envolveu mais de uma centena de profissionais em todo o mundo, com destaque para as empresas americana JRDV e Stantec e o gabinete internacional de arquitetura L35.

A instalação do novo mobiliário urbano foi acompanhada pela aplicação de uma combinação de novos materiais de onde se destacam a madeira, o ferro e a pedra à qual se juntou a utilização de materiais de tradição nacional como os azulejos e a calçada portuguesa.

Também a nova paleta de cores, mais clara, leve e uniforme conjugada com uma nova dimensão paisagística transformaram radicalmente a infraestrutura existente.

 

Quatro principais novas áreas no centro:

A Entrada Principal

O Freeport Lisboa Fashion Outlet conta agora com uma nova entrada que assinala de forma inequívoca a entrada no espaço, desenhada para melhor receber os visitantes, e onde se situam os principais serviços de acolhimento e informação.

Na zona da entrada principal surgiu também uma zona de jardim com o apoio de uma esplanada e cafetaria, ponto de encontro para quem começa ou acaba o dia de compras.

 

A Praça dos Sabores

A nova praça da restauração tem como objetivo transformar por completo a experiencia de visita.

Situada no circuito de lojas, no piso zero, e tirando partido de todo o know how de design e arquitetura este espaço conta com 7 restaurantes, equipados com sala interior e esplanada com serviço, numa envolvente trendy e cool, pensada para proporcionar uma agradável pausa ou uma refeição completa em família ou com amigos.

 

A Praça do Elétrico

A criação desta praça em pleno circuito de lojas alia o moderno ao tradicional e autentico de um típico jardim lisboeta e tem como ponto central a réplica de um elétrico da Carris, naturalmente o da carreira 28, que acolhe uma cafetaria e dá apoio à esplanada circundante.

 

A Praça Central

A Praça Central reconquistou a sua vocação social e acrescentou-lhe uma faceta lúdica que vai fascinar os mais pequenos. A estrutura central, única, totalmente desenhada à medida do espaço, é mais do que uma obra de design concebida para desafiar o corpo e mente dos mais pequenos e servir de cenário para um momento de pausa.

 

Nova área Norte

Porventura a zona com a intervenção mais expressiva, a zona Norte testemunhou a reconstrução total de edifícios e ostenta agora 30 novos espaços comerciais onde se instalaram as marcas Tous, Calvin Klein, Furla, Tumi, Elisabeta Franchi, Timberland, Knot, entre muitas outras. A nível estético predominam os edifícios de traça lisboeta com azulejos e calçada portuguesa. conteudos@fleed.pt 

auto auto

Sonae é a empresa portuguesa mais atrativa para os jovens talentos

fleed

 

A Sonae é a empresa de origem portuguesa preferida dos jovens universitários para desenvolverem as suas carreiras, de acordo com o estudo “As Empresas Mais Atrativas de Portugal”. A iniciativa desenvolvida pela Spark Agency, em colaboração com a Universidade do Minho, recolheu as preferências de 3.624 alunos das áreas de gestão e tecnologias de 15 universidades portuguesas, os quais elegeram a Sonae como uma das três empresas onde mais gostariam de trabalhar, a par da Google e da Microsoft.

Maria Antónia Cadilhe, diretora de Talent Management & Development da Sonae, afirma: “Os jovens universitários procuram oportunidades de desenvolvimento pessoal e profissional, privilegiando empresas que sejam dinâmicas, capazes de lhes proporcionar projetos desafiantes e onde possam desenvolver carreiras de sucesso. O resultado do estudo é o reconhecimento do trabalho realizado pela Sonae, que, com a sua forte presença internacional, diversidade de negócios, aposta na inovação e qualidade e conhecimento das equipas, oferece condições únicas não só para captar e desenvolver talento, como também para criar líderes capazes de triunfar em todo o mundo”.

Segundo revela a Sonae em comunicado, “além de ser a empresa portuguesa melhor posicionada no ranking, a Sonae lidera as preferências dos universitários entre todas as que operam no setor do retalho e comércio, sendo neste caso a empresa mais referida pelos universitários, tanto das áreas de gestão como de tecnologia”. O estudo revela que 22,5% dos alunos de gestão e 11,8% dos alunos de tecnologias gostaria de trabalhar na Sonae, o que a torna multinacional portuguesa a preferida para os jovens talentos desenvolverem as suas carreiras e a coloca no top-3 entre todas as empresas a operar em Portugal, a par da Google e da Microsoft.

De referir que a Sonae foi, este ano, considerada a melhor empresa do mundo para estudantes de MBA (Master of Business Administration). A distinção, atribuída pela Associação Internacional de MBAs (AMBA) na categoria ’MBA Employeer’, reconhece a abordagem da Sonae na atração e desenvolvimento de talento, nomeadamente com um percurso ao nível do MBA, bem como o investimento em parcerias duradouras com escolas de gestão de referência.

Estudo “As Empresas Mais Atrativas de Portugal” dá mais peso às tecnologias

O Estudo das Empresas Mais Atrativas de Portugal é uma das mais abrangentes investigações realizadas anualmente com jovens talentos portugueses das áreas de Gestão e de Tecnologia, sendo desenvolvido pela Spark Agency em colaboração com a Escola de Economia e Gestão da Universidade do Minho, a qual assegura a dimensão técnica da análise. Tal como nas edições anteriores, a terceira edição do estudo manteve o objetivo de apurar quais as empresas mais desejadas pelos Young Talent, assim como os fatores tidos em consideração para determinar a atratividade de um empregador.

O estudo recolheu as preferências de 3.624 estudantes universitários, dos quais 1.522 nas áreas de Gestão e 2.102 nas áreas de Tecnologia. Face à edição anterior, verificou-se uma redução do número de alunos inquiridos da área de gestão (-62), o que foi mais do que compensado pelo aumento significativo do número de estudantes inquiridos na área tecnológica (+526).

A análise incidiu sobre estudantes de algumas das principais escolas de Gestão e Tecnologia em Portugal, nomeadamente: Católica Lisbon School of Business & Economics da Universidade Católica Portuguesa (CATÓLICA-LISBON); Escola de Economia e Gestão (EEG) e Escola de Engenharia (EE) da Universidade do Minho (UMinho); ISCTE Business School (IBS) do Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL); Faculdade de Ciências e Tecnologia (Nova FCT), Nova School of Business & Economics (Nova SBE) e Information Management School (NOVA IMS) da Universidade Nova de Lisboa (UNL); Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCTUC) e Faculdade de Economia (FEUC) da Universidade de Coimbra (UC); Faculdade de Economia (FEP) e Faculdade de Engenharia (FEUP) da Universidade do Porto (UP); Instituto Superior de Economia Gestão (ISEG), e Instituto Superior Técnico (Técnico) da Universidade de Lisboa (ULisboa); Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP) do Instituto Politécnico do Porto (IPP); e Universidade de Aveiro (UA).

redacao@fleed.pt

auto auto

Tecnologia está a revolucionar o futuro do setor segurador e de corretagem

fleed

 

A Brokerslink reuniu em Marraquexe, Marrocos, cerca de 250 participantes, entre gestores de topo e especialistas em seguros e risco, de 60 países. Com um grande enfoque na discussão sobre o futuro do setor, a conferência anual da empresa global de corretagem de seguros teve como uma das principais conclusões o facto de que “a tecnologia está a trazer uma verdadeira revolução ao setor, num movimento que vai prosseguir e até intensificar-se”, afirmou a companhia em comunicado.

Jonathan Prinn, orador na conferência e diretor da área de corretagem da Ed Broking, defendeu que o setor precisa de conhecer cada vez melhor os seus clientes e os respetivos riscos. A tecnologia será um facilitador neste processo, não só contribuindo para melhorar a experiência de compra, que ganhará uma importância crescente num mundo cada vez mais digital, mas também possibilitando uma melhor definição e avaliação dos riscos, com a consequente criação de novos produtos e soluções cada vez mais individualizados.

José Manuel Dias da Fonseca, CEO da Brokerslink e da MDS, afirma: “O papel do broker de seguros está a mudar e as empresas que não se adaptarem não irão sobreviver. Os afiliados da Brokerslink já iniciaram este movimento estratégico há algum tempo, com resultados assinaláveis, como acontece com a MDS, que em Portugal é hoje uma referência não só na corretagem de seguros, mas também no aconselhamento aos seus clientes fruto da aposta na tecnologia e em profissionais altamente qualificados”.

Os clientes pretendem cada vez mais que os seus parceiros de seguros sejam consultores de confiança, com capacidades analíticas e especialistas em riscos nos vários setores de atividade da economia. Para tal, a tecnologia é essencial, tal como acontece noutras áreas do setor financeiro. Segundo dados revelados na Conferência, hoje cerca de 30% das decisões de investimento em ações são tomadas com base em algoritmos. Num mundo onde a informação e os dados são cruciais para as decisões de negócio, a inteligência artificial terá também um papel crescente nas várias atividades e em especial no sector segurador.

 

Maiores grupos seguradores mundiais presentes na Conferência

A Conferência anual da Brokerslink contou com a presença dos seus acionistas e afiliados, bem como de gestores de risco de grandes grupos multinacionais e representantes dos maiores grupos seguradores mundiais, como AIG, Allianz, AXA, CHUBB, Generali, Lloyd’s, QBE, XL Catlin e Zurich. Realizada pela primeira vez em África, facto que revela a aposta da Brokerslink na expansão neste continente, recebeu também seguradoras com forte presença africana, como a SAHAM, a SUNU Assurances, a Royale Marocaine d’Assurances e a Fidelidade Angola e Moçambique.

A Brokerslink é hoje um dos maiores players mundiais independentes da corretagem de seguros, tendo recentemente mudado o seu estatuto de associação para empresa com sede na Suíça. Com mais de 20 mil milhões de dólares de prémios de seguros sob gestão, em Portugal, Brasil, Espanha, Angola e Moçambique é representada pela MDS, multinacional de origem portuguesa, fundadora e hoje um dos seus principais acionistas.

A Conferência Anual da Brokerslink é já um momento incontornável para o setor segurador mundial. Além de reunir um conjunto muito alargado de gestores de topo do setor, de tantas geografias distintas, é um espaço privilegiado para a discussão das principais tendências que afetam a sociedade e o mundo dos seguros, disseminando conhecimento e promovendo a inovação”, realça José Manuel Dias da Fonseca.

 

Brokerslink com rebranding para atacar mercado global

A conferência anual da Brokerslink foi ainda palco de uma importante revelação, o rebranding da marca, traduzida num novo logotipo, site e slogan – Broking the future.

Desde que foi criada, em 2004, como uma rede de corretores, a Brokerslink transformou-se numa empresa de corretagem global bem-sucedida. A renovação da marca permite que a Brokerslink mantenha o seu reconhecimento ao mesmo tempo que cria uma identidade adequada ao seu novo modelo de negócios. Este processo de rebranding é mais uma evidência do desenvolvimento contínuo global da Brokerslink e suporta a sua visão para o futuro – a afirmação como uma alternativa aos 3 grandes players do mercado mundial.

José Manuel Dias da Fonseca, CEO da Brokerslink, disse: "A Brokerslink evoluiu e neste momento de crescimento é importante investir ainda mais na nossa estratégia de marketing para criar uma presença de marca ainda mais forte e internacionalmente reconhecida. Esta nova identidade dá vida à nossa ambição de ser a principal empresa de corretagem global, com uma presença local incomparável e capaz de oferecer conhecimentos especializados nas várias indústrias e acesso aos principais mercados mundiais de seguros”.

De referir que a Brokerslink é uma das empresas líderes mundiais na corretagem de seguros com prémios de seguros e fees de consultoria superiores a 20 mil milhões de dólares. Operando em 100 países, a Brokerslink oferece um vasto conjunto serviços de seguros e de gestão de risco na Europa, na América do Norte, na América Latina, na região Ásia-Pacífico, no Médio Oriente e em África. O projeto foi criado pela portuguesa MDS, corretora e consultora de seguros e riscos detida pela Sonae e pela Suzano.

 

Brexit e a emergência da Ásia

A saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit) é um dos desafios enfrentados pelo setor segurador global. Londres é tradicionalmente o epicentro dos mercados seguradores mundiais, mas esse papel nos últimos anos passou a estar ameaçado face à emergência da Ásia enquanto player relevante no sector segurador mundial. Com o Brexit, a ameaça de perda de preponderância de Londres é cada vez maior, sendo necessária uma readaptação para responder aos novos centros de negócios mundiais. Na conferência, Steve Hearn, CEO da Ed Broking, defendeu que, para continuar a desempenhar um papel relevante nos seguros, o Reino Unido precisa de mudar de mentalidade e procurar disponibilizar soluções de conhecimento específico capazes de servir as geografias emergentes.

 

Fórum de Gestão de Risco

A primeira edição do Fórum de Gestão de Risco da Brokerslink contou com a presença de reputados gestores de risco da Europa, Médio Oriente, África, Ásia, EUA, América do Norte e América Latina. Durante uma sessão muito dinâmica, debateram-se os principais temas que afetam o setor, nomeadamente o risco cibernético e reputacional, programas globais de seguros e compliance, e a transformação da profissão.

O lançamento desta iniciativa reflete a visão, compromisso e envolvimento da Brokerslink no futuro do setor dos seguros e da gestão de risco.

redacao@fleed.pt

auto auto

Ineficiências na gestão do “boom” de procura turística custam 47 milhões por ano à hotelaria

fleed

 

A BlueShift - Achievers Make the Change, grupo de gestão e consultoria hoteleira, acaba de concluir um estudo sobre a evolução dos principais indicadores de performance da hotelaria nos últimos cinco anos – entre 2012 e 2016 –, incidindo na avaliação de eficácia do revenue management nas várias regiões do país. Das conclusões do estudo, destaque para as perdas inerentes às ineficiências de gestão, nomeadamente nas regiões da Madeira, Açores e Norte, avaliadas pela consultora em cerca de € 47 milhões por ano, o que representa cerca de 12% dos resultados do setor a nível nacional.

Avaliando o período desde 2012, ano anterior ao arranque da procura, até 2016, ano recorde para o turismo nacional, o estudo da BlueShift compara a evolução da Taxa de Ocupação e Preço Médio em cada região do país, procurando aferir até que ponto as organizações conseguiram tirar o máximo partido do novo ciclo de crescimento.

De acordo com a experiência da BlueShift, a rentabilidade operacional é maximizada através de um crescimento que se baseie não apenas na Taxa de Ocupação, mas também do Preço Médio, uma vez que esta variável tem um “flow-through” de 100%. Ou seja, o crescimento de um euro em preço traduz-se diretamente em resultado, mas se esse mesmo euro for gerado via ocupação, é necessário subtrair os custos variáveis, passando apenas o restante para resultados (tipicamente à volta de 40 cêntimos numa operação otimizada).

A capacidade de crescer em preço depende de muitos fatores exógenos à empresa hoteleira, como o ponto de partida do destino (em mercados com ocupações muito baixas a prioridade é atingir um nível de atividade operacionalmente eficiente), a previsibilidade do contexto competitivo (capacidade de antecipar o crescimento), ou o mix “natural” de canais do destino (quanto mais contratação maior a inércia do preço).

No entanto, essa capacidade também depende, em grande medida, do comportamento dos agentes hoteleiros. Empresas com menos competências e ferramentas tendem a crescer primordialmente via Taxa de Ocupação, pois basta-lhes“ter a porta aberta” para entrarem mais clientes. Em contrapartida, empresas com maior capacidade de planeamento e previsão, conseguirão gerir estrategicamente a função de Revenue Management, empurrando uma parte – ou até a maioria – da pressão da procura para a variável preço, em busca de uma melhor rentabilidade operacional.

As formas de proactivamente gerir o “push” de mercado incluem, por exemplo, a melhor capacidade de previsão de procura a curto, médio e longo prazo, uma gestão mais eficaz da estrutura de preços e da contratação, e uma gestão estratégica e tática de clientes e canais que privilegie a rentabilidade. Em suma, um sistema de “revenue management” eficaz.

O estudo, que não pretende avaliar a performance individual de cada empresa, mas antes a dinâmica criada em cada região, pela combinação das ações do setor, permite inferir três grandes tendências: Por um lado, a capacidade de crescer de forma equilibrada, alavancando o preço médio e a rentabilidade, não é um exclusivo das regiões mais maduras, como Lisboa e Algarve, verificando-se também em destinos menos desenvolvidos e com maior atomização empresarial, como o Centro e o Norte. Por outro, os destinos tradicionalmente mais dependentes da Tour Operação, como Madeira e Açores, apresentam as maiores dificuldades a canalizar a pressão da procura para aumentos de Preço Médio, fazendo-o com um desfasamento de dois a três anos, bastante superior ao próprio ciclo de contratação. Uma terceira tendência é a de que a inércia do preço é agravada em contextos de incerteza quanto ao cenário competitivo, em que as empresas não assumem a tendência de crescimento nas suas decisões de contratação e gestão de canais. Nestes casos, podem gerar-se situações incoerentes em que um elevado crescimento de ocupação é acompanhado por uma queda sustentada de preços. A região dos Açores, que tem convivido com cenários de elevada incerteza a nível de ligações aéreas, é um caso paradigmático. 

A BlueShift estima que, nas três regiões em que se registaram desfasamentos, de dois a três anos, entre o disparo da procura e a resposta ascendente do Preço Médio – Madeira, Açores e Norte –, o valor perdido pelas empresas hoteleiras, a nível de resultado operacional, ascenda a cerca de € 47 milhões por ano. conteudos@fleed.pt

auto auto

Produtos biológicos conquistam espaço no Continente

fleed

 

 

A crescente procura de produtos biológicos e saudáveis levou a que o líder do retalho alimentar em Portugal criasse um espaço dedicado a esses produtos nas lojas, e a disponibilizar mais de 200 marcas e oferece mais de 2.000 produtos. 

O novo espaço já está presente em muitas lojas do Continente, de norte a sul do país, cada vez com uma maior área, tendência que acaba de se acentuar com a comercialização em exclusivo de duas marcas internacionais: a Urtekram e a Rude Health, também disponíveis nos supermercados Go Natural. 

A Urtekram é uma marca dinamarquesa, fundada há mais de 30 anos por dois empreendedores, que produz alimentos orgânicos e artigos para consumidores com alergias. É a marca biológica número um dos países nórdicos, com uma gama alargada de mais de 180 artigos – leguminosas, molhos e pastas, dos snacks às ervas aromáticas.

A Rude Health é uma marca britânica, fundada por um casal empreendedor, que oferece alimentos e bebidas vegetais biológicas, especialista em pequenos-almoços e momentos de pausa. Uma gama sem açucares adicionados, sem ingredientes artificiais e sem OGM’s. conteudos@fleed.pt

auto auto

Pedidos de liquidez ao BCE dispararam em Espanha devido à Catalunha

fleed

 

Os pedidos de liquidez do setor bancário espanhol ao Banco central Europeu dispararam em outubro devido à declaração de independência da Catalunha.

Os dados do Banco de Espanha indicam que os pedidos atingiram 175 mil milhões de euros, mais 4 mil milhões de euros.

O pedido de liquidez foi sobretudo sentido no curto prazo. Os valores registados no mês anterior eram de 33 milhões de euros, passando a ser de 4,271 mil milhões em outubro, naquele que foi o mês com maior financiamento desde maio de 2016. conteudos@fleed.pt 

auto auto

Simens Gamesa despede 6 mil trabalhadores

fleed

 

 

A Siemens Gamesa tem planos para reduzir o seu número de trabalhadores em 24 países, dos quais 408 em Espanha.

A empresa reuniu hoje com os sindicatos em Espanha para dar conta que prevê reduzir neste país 408 trabalhadores, em três anos, dos quais 341 serão objeto de um despedimento coletivo imediato.

O grupo está presente em 24 países e, dentro dos planos de reestruturação, já fechou a sua fábrica no Canadá, prevendo igualmente uma redução de atividade em Brenerhaven, na Alemanha. conteudos@fleed.pt

auto auto